Indicação de Livros : “Psicanálise Junguiana” e “Psicologia Analítica”

O pensamento junguiano é extremante rico e diverso. É realmente uma pena muitos não conheçam essa extensão, pois, no Brasil estamos muito acostumados com livros voltados ao pensamento clássico e da psicologia arquetípica. Por isso, a publicação dos “Psicanálise Junguiana” de Murray Stein e o “Psicologia Analítica” de Linda Carter e Joseph Cambray pela editora vozes são tão importantes.

Psicanálise Junguiana:  Trabalhando no espírito de C.G.Jung

Editado por Murray Stein, em 2010, o “Psicanálise Junguiana” ganhou sua tradução em 2019.

É um livro com grande complexidade, são cerca de 40 autores em 36 artigos em 591 paginas. Distribuídos nos eixos:

– Objetivos

– Métodos

– Processo Analítico

– Tópicos Especiais

– Formação

O livro já desperta interesse pelo título que causa um pouco de estranheza para o público junguiano brasileiro, que não está acostumado com o termo psicanálise junguiana. Murray Stein justifica em seu prefácio que a “Psicanálise Junguiana é o nome contemporâneo da aplicação prática da psicologia analítica” (p.18).  Apesar de alguns junguianos há algum tempo se denominarem “psicanalistas junguianos” no Brasil é bem incomum.  Acreditamos que isto esteja relacionado com a formação do pensamento junguiano brasileiro, intimamente relacionado com a escola clássica e com um forte afastamento da psicanálise. Vale a pena lembrar que a psicanálise que Jung criticava em suas páginas não corresponde a psicanálise contemporânea.

O livro como um todo apresenta um mosaico que envolve estudos associados a emergência, sistemas complexos adaptativos, complexos culturais, intersubjetividade, trauma, adolescência, infância e sobre formação.  Essa amplitude abre as portas para novos estudos e novas percepções acerca da psicologia junguiana, uma janela para os estudos contemporâneos.

Psicologia Analítica: Perspectivas Contemporâneas em analise junguiana

Recém lançado pela vozes em 2020, o livro “Psicologia Analitica” Editado por Cambray e Carter tem sua publicação original em 2004.

Este livro nos apresenta um panorama sobre a história, teoria e prática junguiana . Com 11 artigos e pouco mais de 400 páginas fornece uma visão impar do pensamento junguiano contemporâneo.  

Um aspecto importante desta obra é seu caráter crítico. A história junguiana é recontada sem romantismo e sem idealizações, dando uma visão da formação de alguns dos principais grupos junguianos.

Os artigos de John Beebe sobre tipos psicológicos (incluindo apontamentos do MBTI), Jean Knox com uma percepção junguiana da organização psíquica relacionada com neurociência cognitiva e teoria do apego, Thomas Singer e Samuels Kimbles sobre complexos culturais oferecem uma visão ímpar de construções junguianas contemporâneas.

Qual livro é melhor?

 Ambos são excelentes e se complementam. O Psicologia Analítica oferece um visão mais aprofundada, mas, com temas são mais restritos (como dissemos são 11 capitulos ao passo que o psicanálise junguiana são 36). A maior parte dos autores do Psicologia Analítica também participaram do Psicanálise junguiana.  

São livros indispensáveis para quem quer estudar o pensamento junguiano contemporâneo.

——————————————————–

Fabrício Fonseca Moraes (CRP 16/1257)

Psicólogo Clínico de Orientação Junguiana, Especialista em Teoria e Prática Junguiana(UVA/RJ), Especialista em Psicologia Clínica e da Família (Saberes, ES). Diretor do Centro de Psicologia Analítica do CEPAES. Formação em Hipnose Ericksoniana. Coordenador do “Grupo Aion – Estudos Junguianos”  desde 2012 Atua em consultório particular em Vitória desde 2003.

Contato: 27 – 99316-6985. /e-mail: fabriciomoraes@cepaes.com.br/ Twitter:@FabricioMoraes

http://www.cepaes.com.br

Deixe uma resposta